A permuta financeira

 

Artigo escrito para a coluna “Mercado Imobiliário”, sob responsabilidade do Engenheiro e Advogado Francisco Maia Neto, publicada quinzenalmente no jornal Estado de Minas, de Belo Horizonte-MG

Veja outros artigos

Leia outros artigos do Engenheiro e Advogado Francisco Maia Neto publicados nos diversos órgãos de imprensa

Artigos no Estado de Minas

A casa dos “Jetsons”
A nova norma de manutenção
A prova via ata notarial
A saúde dos edifícios
A volta dos flats
Ad corpus e ad mensuram
Agindo diante da catástrofe
Aquisição do espaço aéreo
Aquisição do segundo imóvel
Aquisição para investimento
Arbitragem na venda de imóveis
Ata notarial e os negócios imobiliários
Até que a morte os separe
Bolha imobiliária
Boom imobiliário
Built-to-suit sem revisão
Caminhos do crescimento
Casa em resort
CEPAC - Um novo título imobiliário
Cessão de superfície
Compra de imóvel com dívida
Compra de imóvel na planta
Compra de terreno
Comprar ou alugar?
Comprar ou não comprar
Condomínio - Clube
Condômino inadimplente sem água
Contratos de gaveta
Depreciação Imobiliária
Desestímulo à inadimplência
Desvendando o consumidor imobiliário
Diferença entre preço x valor
E possível um terceiro comprar ou alugar garagem em prédios?
Em busca dos melhores investimentos
Estrangeirismo imobiliário
Execução averbada
Fiança e penhora do bem de família
Fiança em locações
Financiamento ou consórcio
Fundamentos do investimento imobiliário (Parte 1)
Fundamentos do investimento imobiliário (Parte 2)
Fundo de investimento imobiliário
Gerenciamento de facilidades
Hotel ou residência?
Implantação do prédio no terreno
Imóveis encurralados
Imóveis nos shoppings
Imóvel compartilhado
Indice de rentabilidade imobiliária
Locações para executivos
Mercado imobiliário nas favelas
Novo ou usado?
O conceito de cap rate
O conceito mixed-use
O imóvel como alternativa de aposentadoria
O padrão de cada um
O que significa e como funciona o laudêmio?
O que significa o conceito “built-to-suit”?
O que valoriza e desvaloriza um imóvel
Popularizando os Fundos Imobiliários
Preparo do imóvel para venda
Preço x Valor
Reformas condominiais - 1
Reformas condominiais - 2
Regimes de construção (preço fechado ou custo)
Relação entre construtor e comprador
Residência popular “verde”
Retificação administrativa de área
Retrofit e escassez de terrenos
Retrofit é uma boa opção?
Segurança ou ressarcimento
Seguro habitacional
Seguro residencial
Sociedade de propósito específico
Sofisticação e Segurança
Vale a pena comprar imóvel por meio de consórcio?
Valorização imobiliária
Valorização Olímpica

Já há algum tempo, o mercado imobiliário apresenta-se reaquecido e, ao contrário da maioria de outros segmentos, apresenta uma série de boas oportunidades para clientes e investidores em geral, uma vez que o estímulo vem ocorrendo devido ao controle da inflação, a queda de juros e, principalmente, ao crescimento da economia, como vem sendo amplamente noticiado nos meios de comunicação, e que dá segurança ao mercado pelo aumento do poder de compra do brasileiro.

Com a valorização dos imóveis, as empresas procuram cada vez mais diversificar suas formas de abordagem e ampliar seus investimentos para não perder a chance de realizar boas vendas neste momento tão favorável, sendo assim, muitas empresas do mercado imobiliário estão usando de um recurso que não era tão usual há alguns anos, a permuta financeira.

Através desta modalidade de negociação, as empresas ganham mais flexibilidade na gerência de seus negócios, sendo essencial nos negócios deste porte, já que um pagamento sem a consolidação do negócio pode trazer sérios riscos aos investidores ou dificultar a consolidação do investimento.

O modelo tradicional de permuta é o de permuta física, que se baseia no princípio de destinação de uma porcentagem física pré-estabelecida do imóvel a ser construído ao dono do terreno, ou seja, em troca do lote onde será erguido o empreendimento imobiliário, o proprietário recebe como pagamento um determinado número de unidades que serão construídas.

No caso da permuta financeira, as empresas repassam aos antigos donos do terreno uma porcentagem sobre o valor das vendas após pagar uma entrada, possibilitando, assim, uma flexibilidade operacional, já que o tamanho, número e valor dos futuros imóveis podem ser alterados sem pormenores. Além disso, riscos na demora na venda são compartilhados pelo antigo e novo proprietário do terreno.

A empresa que vem mais aderindo a tal prática é a Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário (CCDI) que, no ano passado, mais de 85% de seus investimentos (que superaram os R$ 2 bilhões) foram em permutas.  Mesmo com um bom desempenho no mercado, um ano após abrir seu capital para investidores a empresa conta com R$ 313 milhões em caixa e R$ 58 milhões em dívidas, suas ações vem apresentando baixa, tendo a empresa atribuído isso aos boatos no mercado de que as permutas estão sendo mais escassas atualmente, mas a empresa continua fechando bons negócios.

De qualquer forma, a permuta financeira tornou-se mais uma opção para investidores, que não devem perder o bom momento do mercado imobiliário, afinal, as permutas dão a chance de um investimento inicial não tão elevado, e nunca é demais lembrar que, apesar da situação atual não deter características que lhe atribuam aspecto de bolha, chances de bons negócios nunca devem ser menosprezados.

 

 

 

Rua Congonhas, 494 - Santo Antônio - CEP 30330-100 - Belo Horizonte - MG

Fone: +55 31 3281.4030 - Fax: +55 31 3281.4838 - geral@precisaoconsultoria.co