O que significa e como funciona o laudêmio?

 

Artigo escrito para a coluna “Mercado Imobiliário”, sob responsabilidade do Engenheiro e Advogado Francisco Maia Neto, publicada quinzenalmente no jornal Estado de Minas, de Belo Horizonte-MG

Veja outros artigos

Leia outros artigos do Engenheiro e Advogado Francisco Maia Neto publicados nos diversos órgãos de imprensa

Artigos no Estado de Minas

A casa dos “Jetsons”
A nova norma de manutenção
A prova via ata notarial
A saúde dos edifícios
A volta dos flats
Ad corpus e ad mensuram
Agindo diante da catástrofe
Aquisição do espaço aéreo
Aquisição do segundo imóvel
Aquisição para investimento
Arbitragem na venda de imóveis
Ata notarial e os negócios imobiliários
Até que a morte os separe
Bolha imobiliária
Boom imobiliário
Built-to-suit sem revisão
Caminhos do crescimento
Casa em resort
CEPAC - Um novo título imobiliário
Cessão de superfície
Compra de imóvel com dívida
Compra de imóvel na planta
Compra de terreno
Comprar ou alugar?
Comprar ou não comprar
Condomínio - Clube
Condômino inadimplente sem água
Contratos de gaveta
Depreciação Imobiliária
Desestímulo à inadimplência
Desvendando o consumidor imobiliário
Diferença entre preço x valor
E possível um terceiro comprar ou alugar garagem em prédios?
Em busca dos melhores investimentos
Estrangeirismo imobiliário
Execução averbada
Fiança e penhora do bem de família
Fiança em locações
Financiamento ou consórcio
Fundamentos do investimento imobiliário (Parte 1)
Fundamentos do investimento imobiliário (Parte 2)
Fundo de investimento imobiliário
Gerenciamento de facilidades
Hotel ou residência?
Implantação do prédio no terreno
Imóveis encurralados
Imóveis nos shoppings
Imóvel compartilhado
Indice de rentabilidade imobiliária
Locações para executivos
Mercado imobiliário nas favelas
Novo ou usado?
O conceito de cap rate
O conceito mixed-use
O imóvel como alternativa de aposentadoria
O padrão de cada um
O que significa e como funciona o laudêmio?
O que significa o conceito “built-to-suit”?
O que valoriza e desvaloriza um imóvel
Popularizando os Fundos Imobiliários
Preparo do imóvel para venda
Preço x Valor
Reformas condominiais - 1
Reformas condominiais - 2
Regimes de construção (preço fechado ou custo)
Relação entre construtor e comprador
Residência popular “verde”
Retificação administrativa de área
Retrofit e escassez de terrenos
Retrofit é uma boa opção?
Segurança ou ressarcimento
Seguro habitacional
Seguro residencial
Sociedade de propósito específico
Sofisticação e Segurança
Vale a pena comprar imóvel por meio de consórcio?
Valorização imobiliária
Valorização Olímpica

Os questionamentos referentes à taxa denominada laudêmio surgem com maior freqüência após a temporada de férias de verão, quando as pessoas se interessam em adquirir imóveis litorâneos, pois trata-se de um tributo federal obrigatório, cobrado nas transações imobiliárias de compra e venda com escritura definitiva, que envolvam imóveis localizados em terrenos de Marinha ou em área dita “aforada”.

Sua criação remonta aos tempos coloniais, quando a totalidade das terras brasileiras pertenciam à Coroa portuguesa, que tinha interesse em promover a colonização do país, distribuindo porções do território nacional a quem se dispusesse a cultivá-las.

Em troca, cobrava uma contribuição, que pode ser comparada a um pedágio, por estes quinhões, que passaram a ser classificados como terras aforadas, fazendo com que todas as vezes que fossem comercializados, teria que ser pago o laudêmio, que sobrevive até hoje.

A grande diferença decorre do fato da Coroa portuguesa não ser mais a dona destas áreas, sendo que no litoral grande parte de nossa orla pertence à Marinha, que recebe uma taxa de 5% do valor dos imóveis situados à beira-mar.

Os terrenos de Marinha compreendem toda a extensão localizada na zona litorânea, inclusive ilhas, considerada estratégicas desde 1831, compreendendo a faixa de terra localizada a 33 metros da maré mais alta, em relação à linha de preamar, que significa o ponto médio das marés observadas durante o ano.

No que se refere à propriedade destes imóveis, consta que a União Federal possui e detém apenas 30% dessas terras, enquanto a Igreja Católica possui 60%, ficando o restante com particulares e com herdeiros da família imperial brasileira.

Como exemplo de imóveis situados fora da orla litorânea, encontramos alguns prédios localizados próximos ao Pátio do Colégio, na cidade de São Paulo, e aqueles existentes na cidade de Petrópolis, cujo tributo reverte-se aos herdeiros de D. Pedro I, e em Minas Gerais, na cidade de Tombos, pertencentes à Igreja Católica.

Importante frisar que a responsabilidade pelo pagamento do laudêmio, ao contrário dos demais encargos usuais da compra e venda, não é do comprador, mas do vendedor, bem como este somente será cobrado quando a transferência do domínio, ou seja, a propriedade de um imóvel, ocorrer mediante venda ou dação em pagamento, não sendo devido no caso de recebimento através de herança ou doação.

Outro detalhe interessante, de interesse jurídico, refere-se às previsões legais deste instituto, que foram preservadas no texto do novo Código Civil, em seu artigo 2038, que, além de proibir a constituição de novas, subordina as existentes às disposições do diploma legal anterior, cuja instituição decorre do aforamento denominado enfiteuse.

Não obstante a previsão legal existente, existem ações judiciais discutindo a legalidade do tributo. Uma delas refere-se aos moradores de Alphaville, conhecido condomínio nas cercarias de São Paulo, e outra de um edifício situado no bairro Ponta da Praia, na cidade de Santos, que já obtiveram sentenças favoráveis, mais ainda sem uma decisão final.

 

 

 

Rua Congonhas, 494 - Santo Antônio - CEP 30330-100 - Belo Horizonte - MG

Fone: +55 31 3281.4030 - Fax: +55 31 3281.4838 - geral@precisaoconsultoria.co