Loading

A importância do Habite-se

 

Artigo escrito para a coluna “Mercado Imobiliário”, sob responsabilidade do Engenheiro e Advogado Francisco Maia Neto, publicada quinzenalmente no jornal Estado de Minas, de Belo Horizonte-MG

Veja outros artigos

Leia outros artigos do Engenheiro e Advogado Francisco Maia Neto publicados nos diversos órgãos de imprensa

Artigos relacionados

A casa de emissão zero
A Casa do Futuro
A dimensão do alqueire
A importância das cores
A importância do Habite-se
A nova lei das garagens
A polêmica do amianto
A real área de um apartamento
A sustentabilidade na construção civil
A tragédia do “puxadinho”
Acessibilidade já (Parte 1)
Acessibilidade já (Parte 2)
Alteração de fachadas e das áreas comuns
Aquisição do espaço aéreo
Autonomia e conforto para o idoso
Averbação de segurança
Barulho nas edificações
Built to suit, uma locação atípica
Caminhos do crescimento
Casa em resort
Casa Office
Casa para o Idoso
Casas de plástico
Casas nano
Certidão de nascimento do imóvel
Cessão de superfície
Combatendo os vazamentos
Compra de imóvel na planta
Condomínio multifuncional
Construção em ação
Construção em série
Construção é coisa séria
Construções em bambu
Contaminação do solo
Desenho universal
Edifícios ecológicos
Energia solar
Florestas urbanas
Hotéis verdes
Imóveis de papel
Inimigo invisível
Jardins suspensos
Loteamentos em risco
Material certificado
Medidores individuais de água
Mobilidade Urbana
Mudanças de padrão
Muitas contratações, pouca qualificação
Nova Norma sobre o CUB - 1
Nova Norma sobre o CUB - 2
O batismo dos edifícios
O cobre e seu uso
O Home Equity
O padrão de cada um
Os 10 mandamentos do imóvel na planta
Os 7 mandamentos da acessibilidade
Precisa-se de engenheiros
Projeto de impermeabilização
Prédio certificado
Qual a área real de um apartamento?
Que fatores valorizam e desvalorizam um imóvel ?
Regimes de construção (preço fechado ou custo)
Retrofit e escassez de terrenos
Retrofit verde
Retrofit é uma boa opção?
Reutilização da água pluvial
Sistema framing de construção
Telhado de vidro
Telhados brancos
Tributação imobiliária
Uma lei contra as catástrofes
Vistoria para entrega das chaves

Os adquirentes de um novo imóvel costumam ouvir uma palavra quando chega o momento do recebimento da unidade adquirida, denominada Habite-se, que é concedido pela prefeitura da cidade onde o empreendimento imobiliário encontra-se localizado.

O significado desse documento, que é emitido tanto para prédios recém-construídos como para aqueles que passam por reformas, atestando que o edifício está pronto para receber seus ocupantes, ou seja, é uma certidão que autoriza o imóvel recém-construído ou reformado a ser ocupado.

Nesse sentido, ao ser concedido o Habite-se, o proprietário tem a garantia que a construção seguiu corretamente tudo o que estava previsto no projeto aprovado, tendo cumprido a legislação que regula o uso e ocupação do solo urbano, respeitando os parâmetros legais quanto à área de construção e ocupação do terreno.

Além de cometer um equívoco, o proprietário que muda para um imóvel que não recebeu a devida autorização da prefeitura, ele ainda está sujeito à multa em função do Habite-se não ter sido liberado.

Da parte do construtor, este tem que cumprir uma série de requisitos para obtenção do Habite-se, antes de dar entrada no pedido de concessão, como os atestados das concessionárias de água e energia elétrica e do Corpo de Bombeiros, que comprovam a correta funcionalidade das instalações hidráulicas, sanitárias, elétricas e de combate a incêndio.

Após a solicitação, deverá aguardar a vistoria, onde será checado se o prédio foi construído segundo o projeto inicialmente aprovado, o que pode resultar no indeferimento, caso não tenha sido executado corretamente.

Isso mostra que a preocupação com o Habite-se não tem a conotação meramente formal, referente à regular documentação do imóvel, mas também relaciona-se diretamente à segurança dos futuros moradores, uma vez que instalações elétricas inadequadas ou instalações de combate a incêndio insuficientes podem resultar em futuros incidentes que resultarão em ameaça à integridade dos ocupantes.  

Cabe esclarecer que a existência de contas de água, luz e telefone não garantem a correta regularização do imóvel junto à prefeitura, e nem mesmo a cobrança de IPTU, através de correspondente carnê, não comprova que o Habite-se do empreendimento foi concedido.

Do ponto de vista da transmissão da propriedade do imóvel, feita junto do Cartório de Registro de Imóveis, é indispensável a certidão do Habite-se, sem  o qual não é possível a averbação da construção.

Por derradeiro não é demais alertar quanto ao aspecto mercadológico, haja vista a notória desvalorização que o imóvel encontra no momento de uma eventual venda, em decorrência da situação irregular em que se encontra, o que demandará esforços e recursos financeiros para adequá-lo à normalidade, além do que não podem receber financiamento e não podem receber alvará para funcionamento de atividades comerciais.  

 

 

 

Rua Congonhas, 494 - Santo Antônio - CEP 30330-100 - Belo Horizonte - MG

Fone: +55 31 3281.4030 - Fax: +55 31 3281.4838 - geral@precisaoconsultoria.co